Próximos da descoberta do HIV

OHIV continua a ser um dos desafios de saúde mais difíceis do continente africano. Progressos tremendos estão sendo feitos para entender o vírus, os mecanismos imunológicos que contribuem para o seu controle e para o desenvolvimento de novos medicamentos antirretrovirais e vacinas que tratem e previnam o HIV.

Mas ainda há muito a ser feito para superar a devastação econômica e de saúde da epidemia. Pesquisadores africanos têm realizado estudos de ponta para contribuir na solução desses problemas.

A Rede da África Subsaariana para Excelência em Pesquisa de TB/HIV está na vanguarda dessa pesquisa e forneceu algumas ideias importantes sobre como o vírus se espalha, bem como os mecanismos imunológicos que permitem que algumas pessoas o controlem sem medicamentos anti-retrovirais.

Esse conhecimento pode ser traduzido em vacinas eficazes, no desenvolvimento de intervenções inovadoras para prevenir a propagação do vírus ou para obter uma cura funcional com a qual as pessoas possam viver sem medicamentos antirretrovirais — pelo menos por um tempo.

Sistemas imunes são críticos
Uma importante base de nossa pesquisa, em colaboração com outras, diz respeito a entender quais mecanismos o organismo utiliza para controlar o HIV — particularmente na fase inicial da infecção.

Nosso estudo mostra que algumas semanas após a infecçãp pelo HIV, quase todas as pessoas têm uma resposta imune muito robusta por meio de células conhecidas como “linfócitos T citotóxicos”, ou “células T CD8 ‘assassinas'”. Essas células são capazes de suprimir parcialmente o HIV.