Transplante Pulmonar

O primeiro transplante de pulmão bem-sucedido aconteceu em Toronto, no Canadá, em 1983. No Brasil, a técnica só foi utilizada alguns anos mais tarde, em 1989. A complexidade deste tipo de cirurgia é tão grande, que só foi realizada 30 anos depois do primeiro transplante de órgão, que aconteceu em 1954.

O objetivo de transplante é substituir o órgão doente por um sadio e muitas vezes significa a única chance de sobrevivência do paciente. Entretanto, é um dos procedimentos mais complexos da medicina.  O transplante de pulmão, desde a sua introdução no Brasil, em 1989, vem progressivamente conquistando espaço no manejo terapêutico de pneumopatias terminais, com índices crescentes de sobrevida em longo prazo.

Os resultados obtidos hoje, em relação ao transplante de pulmão no Brasil, são comparáveis aos dos centros internacionais bem reconhecidos. As principais conquistas no sucesso deste tipo de transplante se devem, principalmente, ao estabelecimento de critérios de seleção dos candidatos e à identificação de qual procedimento é mais adequado para cada circunstância; à qualificação do manejo operatório, envolvendo doador e receptor, com sensível melhora no desempenho funcional precoce do órgão transplantado e à implantação de rotinas de seguimento pós-operatório tardio, com reconhecimento mais precoce e tratamento mais efetivo das complicações.